5 Curiosidade sobre Jagermeister

22/05/2019
por Luís Magalhães

Uma das bebidas mais vendidas do mundo com 56 ingredientes tem um certo miticismo à sua volta. Fique a conhecer 5 curiosidades deste sabor exclusivo. 

 

  1. Durante a Segunda Guerra Mundial, esta bebida ganhou relevância dentro das tropas alemãs devido ao seu uso como anestésico e, devido ao seu alto teor alcoólico, também como desinfetante. A relação com o regime Nazi atingiu o próprio Hermann Göring - considerado sucessor de Hitler - e os altos funcionários do Terceiro Reich.
  2. É um lícor digestivo com 35% de álcool, 56 ingredientes e uma fórmula tão secreta como a da Coca-Cola.
  3. Jagermeister significa mestra de caça
  4. Uma lenda urbana afirma que a sua cor escura contém sangue de veado ou alce. Mas a verdade é que isso é apenas um mito, porque o sangue se decomporia durante o processo de fabricação da bebida, arruinando um lote após o outro.
  5. A história da Jagermeister é baseada na lenda de um antigo caçador, Saint Hubertus, que durante séculos foi o patrono dos caçadores. Segundo a lenda, Saint Hubertus era um caçador selvagem e desenfreado em sua juventude, sem qualquer responsabilidade ou repreensão para com as criaturas que ele caçava ou capturava apenas por uma questão de matar. Um certo dia ele encontrou um grande cervo branco que apareceu da escuridão carregando uma cruz iluminada entre seus chifres. Desde então, São Hubertus converteu-se ao cristianismo e dedicou-se a boas obras sob a bandeira do cervo de chifres. Ele morreu em 727 dC e foi venerado como padroeiro séculos depois. O cervo com a cruz tornou-se o emblema da marca apoiada por ramos de carvalho e pinheiro.
 Agora quando beber o seu próximo Jaggermeister já sabe um bocado mais da sua história. 
 
 

5 tipos de mel e as suas características

15/05/2019
por Luís Magalhães

Que mel é uma delícia ninguém duvida. Mas sabia que existe uma vasta variedade de tipos de mel, cada um com cor, sabor e propriedades únicas?

Mel de Urze
Mel característico das terras altas e montanhosas. É o mel original, com sabor forte, acidulado ligeiramente e de consistência densa. Com um tom muito escuro traz uma ligeira adstringência própria do néctar. Possui ação anti-inflamatória e um elevado teor de polifenós que o tornam no mel mais anti-oxidante.

Mel de Milflores
Mel silvestre, colhido na Região de Beiras. É obtido através duma prática de transumância, beneficiando de diferentes florações, incluindo 4 variedades de Urze, Rosmaninho, Eucalipto, Tojo, Malva-rosa, Tomilho, Alecrim e Borragem. Um mel suave e delicado, com o sabor tipicamente preferido dos consumidores.

Mel de Eucalipto
Este mel corresponde à primeira colheita de cada ano. É proveniente da Beira Litoral e tem origem no néctar das flores de eucalipto. Com um sabor muito agradável, é um mel com uma crescente popularidade junto dos consumidores. Mais aromático que os outros méis, apresenta um tom claro e um aroma mais aberto.

Mel de Rosmaninho
Mel silvestre com origem em floração predominante de rosmaninho. Colhido em zonas isentas de poluição desde a região interior da beira baixa até às terras baixas da beira interior. Com um tom claro e uma elevada concentração de frutose este mel tem um aroma e sabor doce.


Mel de Laranjeira
Com origem no néctar das flores de laranjeira, possui um tom claro uma textura suave. Um aroma e sabor diferenciados de outras variedades, é com frequência distinguido como o mais saboroso dos méis. As suas qualidades tornam-no ideal como adoçante natural para acompanhar pão, frutas, bebidas e cereais.

Azeite e azeite virgem - Qual a diferença?

18/04/2019
por Luís Magalhães

O azeite é o óleo vegetal mais utilizado nas cozinhas de todo o mundo. É a única gordura que pode ser consumida 100% natural - logo após a extração e sem qualquer alteração. Resistente a altas temperaturas e tanto pode ser usado cru, para temperar uma salada, como cozinhado em sopas, bolos e estufados, entre outros pratos.


O azeite é classificado em três categorias: azeite, azeite virgem e azeite virgem extra. A denominação de cada é determinada pela qualidade das azeitonas, os processos a que são sujeitas para obter o azeite, o sabor e o grau de acidez, entre outros factores.

Os azeites virgem extra e virgem são obtidos através de processos mecânicos ou físicos que não modifiquem o azeite. Esses processos englobam apenas os tratamentos de lavagem, decantação, centrifugação e filtração. A diferença entre o azeite virgem e o virgem extra é estabelecida por parâmetros como a acidez, e sabor.


As denominações oficiais e respectivas características estão fixadas por lei:
• o azeite virgem extra é de superior qualidade, possui sabor e cheiro intensos a azeitona sã, acidez igual ou inferior a 0,8% e não apresenta defeitos organolépticos;
• o azeite virgem tem boa qualidade, sabor e cheiro a azeitona sã e acidez igual ou abaixo de 2%;
• o azeite é composto por azeite refinado, enriquecido com azeite virgem, aromático e frutado, com grau de acidez igual ou inferior a 1 por cento.

Tipos de Vinho do Porto

10/04/2019
por Luís Magalhães

É sabido que o Vinho do Porto é diferente dos outros vinhos comuns. Tem uma enorme diversidade de tipos vinho que nos surpreendem com a riqueza e intensidade dos seus aromas, um teor alcoólico elevado (geralmente compreendido entre os 19 e os 22% vol.) e uma vasta gama de doçuras e grande diversidade de cores.


Existe também um conjunto de designações que possibilitam a identificação dos diferentes tipos de Vinho do Porto:

Vintage
O vintage é um vinho de excelente qualidade e proveniente de uma única colheita. Considerado o melhor vinho dos vinhos do Porto, a sua produção total representa apenas uma pequena percentagem da produção total de Vinho do Porto
É engarrafado entre 1 de julho do segundo ano e 31 de dezembro do terceiro ano após a vindima. Pode ser consumido de imediato, no entanto também é costume ser guardado em caves de envelhecimento durante um período que pode durar até 40 anos.
Vinho encorpado de cor carregada, mas é suavizado pelo envelhecimento da garrafa.

Ruby
A sua cor assemelha-se à cor da pedra preciosa rubi, resultante de um processo de envelhecimento com pouca ou nenhuma oxidação, normalmente até 3 anos em barris de madeira.
Vinho de sabor forte, encorpado e rico em aromas de frutos vermelhos.

Tawny
Vinho obtido a partir de lotações de vinhos, com uma idade média de três anos e envelhecidos em cascos de madeira avinhada. Não apresentam as características do envelhecimento em carvalho. Durante o processo de envelhecimento a oxidação é reforçada para conferir a tonalidade dourada do vinho.

Indicação de idade
Vinho do Porto de boa de qualidade e com permissão de utilização da designação de idade. As indicações de idade são: 10 anos de idade, 20 anos de idade, 30 anos de idade e mais 40 anos de idade. Este Porto é um Ttawny conseguido por lotação de vinhos de várias colheitas de modo a agrupar diferentes características de cor, aroma e sabor. O período de amadurecimento em madeira é variável e a idade do vinho resulta da média aproximada de idades dos diversos vinhos que compõem o lote (mistura de duas ou mais castas) utilizado.

Colheita
Porto Tawny de qualidade selecionada e de apenas uma colheita. Antes de ser engarrafado, passa por um estágio em madeira de pelo menos sete anos. Embora o Tawny não seja um vinho de lote, é sujeito a transfegas e atestos durante o seu processo de maturação. Durante o seu envelhecimento, os aromas jovens e frutados oxidam e transformam-se num conjunto de aromas onde se destacam os frutos secos, madeira e especiarias.

L.B.V. (Late Bottled Vintage)
Vinho do Porto de qualidade e aptidão para o envelhecimento. Apresenta uma data de colheita e é obtido a partir de um lote de vinhos dessa colheita. O seu envelhecimento decorre em grandes balseiros, barris de carvalho para que a oxidação seja um processo lento. O L.B.V é engarrafado entre o dia 31 de julho do quarto ano e o dia 31 de dezembro do sexto ano após a colheita.

Branco
A qualidade do Vinho do Porto Branco varia de acordo com o grau de doçura e período de envelhecimento. Os vinhos do Porto mais jovens são indicados para consumir como aperitivo, já aqueles que passam por um período de envelhecimento mais longo acabam por ter um sabor mais intenso e sendo por isso o seu consumo ideal após as refeições.

Wine O'Clock - Qual é a melhor altura para beber vinho?

03/04/2019
por Luís Magalhães
Se é um amante de vinhos, e esperamos que o seja, muito provavelmente já ouviu a expressão "wine o'clock" que significa "hora do vinho". Mas a que hora exatamente é que é "wine o'clock"? Hoje vamos descobrir qual é a melhor altura do dia para beber um copo de vinho!

A expressão "wine o'clock" está, desde 2015, incluída no dicionário de Oxford e é definida como "uma hora do dia apropriada para começar a beber vinho". Mas, não especifica a que hora...

Então, qual é a altura do dia mais apropriada para beber vinho?

A historiadora gastronómica Dra Annie Gray diz que a hora de beber vinho tem vindo a mudar consoante a hora estabelecida para a refeição.

'A dinastia de Tudor bebia o seu vinho com a refeição às 10 da manhã, a dinastia de Stuart às 2 da tarde e a de Victoria às 8 da noite (...). Historicamente "wine o'clock" é na hora que for mais conveniente para si"

Jane Anson, uma editora da revista Decanter, defende que o foco principal é beber o vinho à refeição e que "wine o'clock" pode variar conforme várias circunstâncias

Por outro lado, Joe Fattorini, anfitrião do Wine Show, afirma que a altura ideal para beber vinho não tem qualquer relação com a hora de refeição e é de facto quando a boca está mais seca e sem vestígios de outros alimentos no paladar.

"11 da manhã costuma ser a melhor hora para beber vinho porque a boca está mais seca (...) A saliva que vai sendo acumulada na boca ao longo do dia muda drasticamente o sabor do vinho. Não necessariamente pior, mas diferente."

Como podemos ver não existe uma hora ótima universal para beber vinho, por isso esteja vontade. Desde que compre o seu vinho no Gourmet Portugal pode beber quando quiser.

7 Filmes para os amantes de Vinho

26/03/2019
por José Ferreira
7 ótimos filmes sobre vinho que valem muito a pena assistir e que estão disponíveis em várias plataformas online.

Os filmes além de entreter, ensinam muita coisa sobre a plantação, colheita e a produção de vinhos nas mais altas e conceituadas regiões e empresas vinícolas do mundo.

Por isso pegue no seu copo de vinho no seu balde de pipocas e carregue no play.

1) SOUR GRAPES
https://youtu.be/hPUYuwSRwB8

2016 – 1h25m – Classificação 12 anos
Direção: Jerry Rothwell e Reuben Atlas

O melhor e mais recente documentário sobre vinhos, Sour Grapes mergulha em um fascinante caso de falsificação de garrafas vintage.

O ponto central da história é o jovem indonésio Rudy Kurniawan, que através de seu carisma e enorme conhecimento em vinhos raros, conquistou a confiança de muitos ‘conhecedores’ de vinho da alta sociedade americana, vendendo a eles dezenas de milhões de dólares em vinhos falsificados, através das mais conceituadas casas de leilão dos Estados Unidos.

Mas a aventura de Rudy chega ao fim quando Laurent Ponsot, um produtor de vinhos da Borgonha, descobre que suas garrafas foram falsificadas e estavam sendo vendidas pelo jovem indonésio.


2) A SORTE DO VINICULTOR
https://youtu.be/crNR-qyA5BM

2009 – 2h06m – Classificação 14 anos
Título original: The Vintner’s Luck
Direção: Niki Caro

Drama romântico que conta a história de Sobran Jodeau (Jérémie Renier), um jovem viticultor camponês que almeja criar o seu próprio vinho.

A sorte de Sobran muda quando em uma noite de verão em 1808, um anjo lhe aparece e oferece algumas mudas de videira para serem plantadas nas terras de sua família.

A partir desta noite, uma vez ao ano Sobran deve se encontrar no mesmo local com o anjo, que o aconselha sobre tudo, desde a vida amorosa até a produção de vinho.

Só que tudo muda quando Sobran descobre que o anjo, na verdade, pode não ter vindo do céu.

O filme conta com a participação de Vera Farmiga.


3) O SABOR DO AMOR
https://youtu.be/_zoxkTQvbns

2012 – 1h34m – Classificação 12 anos
Título original: The Chateau Meroux
Direção: Bob Fugger

Comédia romântica sobre uma jovem que, após a morte do seu pai, herda uma vinícola em Napa Valey, Califórnia.

Wendy (Marla Sokoloff) começa a cuidar das atividades da vinícola ao mesmo tempo em que conhece e se apaixona por Chris (Barry Watson).

Só que a jovem não sabia que o rapaz era filho de seu principal concorrente.
O elenco também conta com a presença de Christopher Lloyd.


4) UM ANO EM CHAMPAGNE
https://youtu.be/zhJ6lC2Tr3k

2014 – 1h22m – Classificação livre
Título original: A Year in Champagne
Direção: David Kennard

O filme mostra de perto os bastidores da produção de champagne, das grandes casas aos pequenos produtores independentes.
Produtores renomados como Bollinger, Diebolt e Gosset falam sobre as rígidas regras estabelecidas para a produção de champagne, as medidas tomadas para prevenção de pragas e como as guerras afetaram a região.

5) SOMM
https://youtu.be/cw0PR3zm4z8

2012 – 1h33m – Classificação 12 anos
Direção: Jason Wise

O filme mostra a dura rotina de estudos teóricos e práticos de 4 sommeliers que se arriscam a fazer o difícil exame da Court of Masters Sommeliers, o que equivale ao título de Master of Wine.
O tão famoso broche de Master Sommelier, conquistado, em média, por apenas 10% dos candidatos que fazem o exame, foi obtido por pouco mais de 200 pessoas desde os primeiros exames em 1969.

6) SOMM II – DENTRO DA GARRAFA
https://youtu.be/H0mFgDgZIb4

2015 – 1h30m – Classificação 12 anos
Título original: Somm – Into The Bottle
Direção: Jason Wise
A segunda parte do documentário dirigido por Jason Wise, muito mais tranquila e sem as tensões da primeira, mostra, quatro anos depois, 10 pequenos capítulos de incríveis histórias contadas pelos 4 sommeliers do filme anterior, jornalistas e produtores.
Em países como a França, Estados Unidos e Itália, renomados produtores abrem suas portas para que o público conheça cada detalhe de seus vinhedos, sua produção, armazenamento e comercialização de seus produtos.


7) BOTTLE SHOCK (O JULGAMENTO DE PARIS)
https://youtu.be/ee5KPdFi_1w

2008 – 1h48m – Classificação 12 anos
Título original: Bottle Shock
Direção: Randall Miller

Estrelado por Alan Rickman, premiado ator britânico falecido em janeiro de 2016, Bottle Shock é baseado em fatos reais e mostra a indústria do vinho em Napa Valley, Califórnia, em meados dos anos 70.

O foco é na pequena vinícola Chateau Montelena que, após quase ir à falência, teve seu Chardonnay eleito o melhor vinho em uma competição internacional, ocorrida em 1976, em Paris.

O resultado desta competição colocou a região americana no mapa da vinicultura mundial.

5 Dicas para escolher o melhor queijo para si.

20/03/2019
por Luís Magalhães

Sabia que por ano a produção de queijo chega aos 20 milhões de toneladas? Nada de se estranhar uma vez que este alimento é um dos favoritos da maioria das pessoas, e que está presente à mesa de muitas pessoas em todo o mundo.
Por isso nunca é demais saber mais sobre este alimento e especialmente quando se trata de o escolher e comprar, veja aqui 5 dicas para se escolher um bom queijo.

#1 Onde comprar queijo?
Tal como faz para comprar qualquer outro artigo, é importante que conheça de onde provêm o produto. Existem muitos lugares onde se pode comprar um bom queijo: lojas gourmet, lojas de queijos, mercados de agricultores (onde é possível conseguir queijos de produção caseira) e online como por exemplo aqui no nosso site, tanto em lojas como diretamente do fabricante de queijos.
Caso escolha comprar numa loja, mercado ou armazém, assegure-se de que a pessoa que o vende esteja bem informada e que a rotação dos produtos seja rápida, para evitar comprar queijos já passados da validade.

#2 Produção do queijo
Se tem algum problema relacionado com o leite ou com queijo em específico, veja a etiqueta para comprovar como este foi feito, por exemplo com que tipo de leite (vaca, cabra, ovelha), se trata de um leite pasteurizado ou cru, e se utiliza coalho animal, vegetal ou microbiano. Se na etiqueta não diz nada disso, pergunte.
Por isso é importante comprar o queijo num lugar onde o vendedor sabe tudo a respeito do queijo; um bom queijeiro será capaz de responder ás suas perguntas e o encaminhar na direção certa, sobre tudo caso tenha restrições dietéticas, religiosas ou de consciência.

#3 Estado do queijo
Como determinar o estado do produto no momento de compra-lo? O melhor mesmo é guiar-se pelo aroma, pela aparência e o sabor.
Algumas características que podem indicar que o queijo não seja fresco ou não esteja em bom estado são o cheiro amónio, leite azedo ou simplesmente odor desagradável.
Quando o observar, o queijo não deve ter rachaduras, descoloração ou mofo (a menos que seja queijo azul). No entanto, leve em conta que os queijos de origem natural podem ter um especto rústico, que é um dos seus atributos.
Se tiver a oportunidade, prove o queijo antes de compra-lo. Se não pode saborear o queijo, mas quer experimenta-lo, a seguinte melhor opção é comprar a menor quantidade possível.
De qualquer forma, sempre pode voltar ao mercado para comprar mais.

#4 Validade do queijo
No momento de escolher seu produto, é importante ver as etiquetas, especialmente quando compra queijo fresco, para se assegurar que o produto não esteja já vencido, ou muito perto da sua data de validade.
Se você comprar um pedaço de queijo que foi dividida em partes menores, peça a a etiqueta na loja, que também deve incluir uma data de validade ao lado das cifras dos indicadores de peso e preço.

#5 Quanto queijo comprar?
Como regra geral convêm comprar somente a quantidade que seja capaz de consumir num determinado tempo.
Se ao comprar o queijo ele estiver envolto em plástico, ao chegar em casa troque a embalagem porque o ar e a umidade são essenciais para manter o queijo em melhor condição possível.
Seguindo a este simples guia para escolher e comprar queijo, poderá desfrutar ainda mais deste delicioso e saudável alimento, já que o escolherá da melhor forma possível e também o conservará melhor.

Veja já os nossos queijos https://www.gourmetportugalshop.com/po/produtos/enchidos.html?features_hash=11-257

A importância do solo para o vinho - Como escolher a garrafa de vinho certa

06/03/2019
por Luís Magalhães

“Podes fazer vinhos maus com uvas fantásticas, mas não podes fazer vinhos fantásticos com uvas más.” – Robert Mondavi

Como já vimos no artigo passado 5 dicas para acertar na escolha de um bom vinho, a escolha de um bom vinho pode ser uma questão algo complexa. O fator talvez mais importante para um bom vinho é a qualidade das uvas. Hoje abordamos os tipos de solo que produzem as uvas indicadas para cada tipo de vinho.

Funções do solo

O solo tem duas funções: ajudar as uvas na absorção dos nutrientes e permitir o escoamento para as raízes.

Em vinicultura, escoamento significa a capacidade do solo reter água. Os solos argilosos retém mais água que os outros solos, permitindo uma maior hidratação das raízes das videiras.

Assim que as uvas tenham água suficiente, elas vão buscar ao solo os nutrientes que precisam. No entanto, não são só esses nutrientes que contribuem para um bom vinho e é por isso que o ph é importante. O solo do ph pode varia entre 3 e 10, no entanto um ph neutro de 7 é ideal. O ph varia de solo para solo, mesmo entre solos do mesmo tipo, por isso terá de verificar que o vinho que está a comprar foi feito a partir de uvas colhidas de um solo com o ph que deseja

Tipos de solo

Existem 4 tipos fundamentais de solos baseado no tamanho dos grãos de areia: solo argiloso, solo arenoso, solo siltoso e o solo franco.

Solo argiloso  

Ideal para vinhos tintos. É o solo que tem os grãos de areia mais pequenas de aproximadamente 0,002mm.

Solo arenoso

Ideal para vinhos de cores mais claras com um maior nível aromático como vinhos brancos. É solo o que tem os grãos de areia maiores que podem medir 0,05 mm até 2mm.

Solo siltoso

 Por ser demasiado fértil é o solo mais complicado de tratar dando mutas vezes origem a vinhos herbáceos, caso seja bem tratado produz uvas semelhantes às do solo argiloso. Os grãos de areia medem entre 0,0002 e 0,05 mm

Solo franco

Encontrado em vales, as uvas deste solo dão origem a um vinho com pouca cor e pouco sabor.

 

Agora já sabe como escolher os melhores vinhos na sua próxima compra na Portugal Gourmet Shop.

5 Dicas para acertar na escolha de um bom vinho

01/03/2019
por Luís Magalhães

Acontece muitas vezes, e ainda mais a pessoas inexperientes, surgirem dúvidas na escolha do vinho certo para uma determinada ocasião.

Para que a escolha da bebida não seja um farto e consiga escolher um vinho de qualidade, enumeramos neste artigo do blog algumas dicas a ter em conta antes de comprar uma garrafa de vinho.

  1. A ocasião ou o tipo de refeição

Primeiro de tudo a escolha de um vinho deve sempre ser baseada na ocasião em que ele será servido (uma festa, uma reunião, um jantar).

Cada ocasião pede por um vinho diferente. Os que são recomendados para beber em um dia de muito calor à beira da piscina, por exemplo, podem não ser os mesmos sugeridos para um jantar de negócios.

Vinhos brancos, rosés e espumantes são muito associados ao verão e celebrações. Os tintos bastante consumidos em dias mais frescos e acompanhados por refeições e os doces e licorosos sempre combinados com as sobremesas.

  1. Local de compra

Encontrar um bom local para a compra de um vinho é tão importante quanto saber escolher o vinho.

Pode encontrar na nossa loja online, Gourmet Portugal Shop uma grande variedade de Vinhos para todos os gostos e carteiras.

Outra opção são grandes redes de supermercados ou melhor ainda algumas adegas que são bem cuidadas e oferecem vinhos de qualidade.

Após a compra, é importante que tome os devidos cuidados com o armazenamento do vinho em sua casa.

  1. Visual e aparência da garrafa

É importante avaliar a qualidade da embalagem e a aparência do produto antes de o comprar.

O estado de conservação da cápsula e da rolha

A cápsula é aquela capinha metálica que envolve o gargalo da garrafa e a rolha. O vinho não pode estar sem a cápsula ou ela ter sido danificada. 

A superfície da rolha em relação ao bico da garrafa

A rolha não pode ultrapassar o bico da garrafa, deve estar sempre rente ao bico. Uma rolha saltada pode indicar a entrada de ar na garrafa, oxidando o vinho.

Rachaduras na garrafa

Este dispensa comentários. Naturalmente não vai comprar um vinho com a garrafa quebrada ou rachada, mas deve sempre certificar-se que a garrafa está intacta.

Quantidade de líquido na garrafa

Se houver um espaço muito grande entre o líquido e a rolha, isso pode indicar que a bebida tenha vazado e o vinho oxidado.

Cor da bebida

Vinhos brancos muito amarelados podem estar oxidados e vinhos tintos jovens de cor âmbar também podem indicar algum defeito na bebida. Certifique-se que estas são as reais características do vinho antes de comprá-lo.

  1. Pontuações de Especialistas

Há quem considere relevante a pontuação de especialistas de revistas e até de aplicações da área para a escolha de um vinho.

Mas como tudo as pontuações serão sempre controversas.

Geralmente são dadas por um especialista ou grupo de especialistas. E pode acontecer o seu gosto para vinhos não coincidir com o dos especialistas.

Um outro problema é que pontuações altas acabam por se tornarem num motivo para elevar o preço do produto.

Algumas pontuações mais comuns são:

RP – Robert Parker

DS – Guia Descorchados

JR – Jancis Robinson

DEC – Revista Inglesa Decanter

ST – Stephen Tanzer

GR – Gambero Rosso

WS – Wine Spectator

WE – Wine Enthusiast

W&S – Wine & Spirits 

  1. Ler o Rótulo

O rótulo é basicamente a certidão de nascimento de uma garrafa de vinho.

Para saber exatamente o que está a comprar, é fundamental entender as principais informações contidas nele, como se fosse um prefácio de um livro.

Desta forma, minimiza as chances de adquirir um produto que não corresponda às suas expectativas.

Região de Origem

Algumas regiões são conhecidas por terem o clima e solos propícios para o cultivo de determinadas uvas, indicando, muitas vezes, a qualidade superior de um vinho.

Safra

Muitas pessoas ouvem falar que, quanto mais velho o vinho, melhor.

Esta afirmação refere-se somente aos vinhos de guarda, aqueles que são elaborados já pensando em seu envelhecimento, para consumo nos próximos 10, 20, 30 anos e assim por diante.

Denominações da Origem

É uma espécie de selo de qualidade concedido por instituições governamentais de diversos países, principalmente do velho mundo.

Vinícolas que adquirem o selo têm sua reputação elevada e o consumidor ganha, pelo menos em teoria, a garantia de aquisição de um produto de qualidade.

Maturação e Envelhecimento

Em alguns países vinícolas, vinhos que passaram por algum período de amadurecimento em barris de carvalho e envelhecimento na própria garrafa, geralmente estampam em seus rótulos os termos Riserva, Reserva e Gran Reserva.

Basicamente, os barris de carvalho contribuem para que o vinho adquira aromas, sabores, estrutura e longevidade, além de amenizar sua acidez e adstringência.

Nova Marca de Azeite! Apresentamos a OliveEmotion

20/02/2019
por José Ferreira

Novo Azeite na loja da Gourmet Portugal Shop, o OliveEmotion

Convidamos à descoberta de uma nova emoção do azeite, este é um azeite que tem um segredo para quem gosta de novas experiências, arriscar sabores invulgares, partilhar o inesquecível à mesa, pôr as emoções à prova.

Descobre as emoções com os teus amigos ou familiares, ou mesmo sozinho, explorando sensações únicas e intensas. Deixa-te envolver pelas Experiencias de Degustação e Tempero de azeite com outros ingredientes.

Este Azeite tem as características de ser frutado médio de azeitonas verdes, complexo, muito fresco e equilibrado. Composto principalmente pelas variedades Cordovil, Cobrançosa e Galega, com notas marcadas de verde folha de oliveira, erva fresca, casca de banana verde e notas de tomate verde. Ligeiramente amargo e picante, muito persistente na boca com um final harmonioso de frutos secos. Acidez <0.2%. Produzido no Alentejo. Embalado em garrafas de 500ml e 250ml.

Comentários

Nenhuma mensagem encontrada

Fazer uma avaliação